Banner
Você gosta de amora? E-mail
Escrito por Mylton Severiano   

Saborosa e medicinal. Antioxidante, dá vitalidade à pele. Depurativa, elimina do organismo substâncias inúteis ou nocivas. Rejuvenesce. E, graças a ela, nos vestimos e paramentamos nossos ambientes com o tecido mais nobre que o homem já criou – a seda.

Uma parlenda: “Você gosta de amora?” “Gosto.” “Vou contar pro seu pai que você namora.” Um chiste: “Cadê fulano e fulana?” “Ah, foram catar amora...” Estas falas, carregadas de malícia, eram comuns na minha infância, num Brasil quase rural. Havia sempre por perto uma amoreira.

Nos pomares, quintais, terrenos baldios, enamorados iam “catar amora”. E tratavam de voltar com umas frutinhas... Temos espécies brasileiras: a taiúva, amora-branca; a arbustiva amora-verde ou do-mato, boa mas para o gosto dos passarinhos; uma preta; e a vermelha, ou moranguinho-silvestre. Mas a predileta é a amoreira-preta de nome científico Morus nigra L., nativa da China e outros países do extremo oriente. Na Europa desde o século 12 e no Brasil desde o 17, dá a fruta mais gostosa.

Na verdade, porém, a amora não é uma fruta só, e sim um aglomerado de frutinhas, uns gominhos agridoces, suculentos. Rósea-esbranquiçada quando verde, passa ao vermelho e tinge-se de um roxo quase preto, quando madura. Se você gosta ao natural, mais fácil plantar um pé. A amora é delicada (difícil transportar sem machucar) e logo perece. Dá-se bem em todo o Brasil. Atrai a passarada. O beija-flor gosta de fazer ninho entre suas ramagens – nada como morar ao lado da comida.

O primeiro papel introduzido no Japão vinha da Coreia, feito da entrecasca dos galhos da amoreira. As fortes fibras, longas e brancas, resultam num papel translúcido e resistente, que os orientais ainda produzem para vários fins: restauração, arquitetura, impressos, objetos para festas populares, artes plásticas. E é da folha da amoreira que o bicho-da-seda se alimenta. Conta-se que, há uns cinco mil anos, uma rainha chinesa tomava chá embaixo de uma amoreira, quando um casulo caiu dentro da xícara com água quente e soltou um fio. Eis a lenda da seda.

Em Marília, interior de São Paulo, havia uma fábrica perto do estádio. No pós-guerra, fechou. Mais tarde a gente soube: os americanos inventaram o rayon e a seda sofreu um baque. Mas recuperou-se. E hoje exportamos seda até para a própria China. Despretensiosa no fundo dos quintais ou nas plantações, hoje ninguém imagina que, há sete séculos, a amoreira foi eminência parda de uma saga. Graças a ela, e a um aventureiro chamado Marco Polo, o Ocidente tomou contato com o esplendor da cultura oriental através da Rota da Seda.


O fio que ligou dois mundos
Veneza, Itália, 1295. Três esfarrapados chamam num portão. A mulher custa a acreditar que são os parentes que partiram há mais de 20 anos. Avisa a família e oferece um banquete. À mesa, os convidados veem entrar Marco Polo, o pai e o tio cobertos de seda escarlate.

Jamais depararam com tão deslumbrante tecido. Os Polo tinham desbravado a Rota da Seda, maior aventura da Idade Média: oito mil quilômetros, que hoje podemos sobrevoar em oito horas, mas no século 13 se percorriam em até três anos, a pé, em animais, carroças, barcos. Ao cair prisioneiro numa das guerras entre Veneza e Gênova, Marco encontra na cadeia um “letrado” que reúne seus relatos em O Livro das Maravilhas.

Dois séculos depois, fascinado pelas aventuras de Marco Polo, Colombo não descansou enquanto não conseguiu sair pelo mundo como seu compatriota. Quem diria que a amora teria algo a ver com a descoberta da América. Como pano de fundo estava o precioso tecido e, por trás, a amoreira, cujas folhas alimentam o bichinho que fabrica o fio da seda.


Ela dá casa e comida ao bicho-da-seda
O bicho-da-seda é a larva da borboleta Bombyx mori. Depois de 40 dias comendo folha de amoreira, a lagarta segrega uma baba filamentosa e brilhante com a qual tece seu casulo. O fio, de até 1.200 metros, obtém-se com a fervura do casulo, sacrificando-se a mariposa antes que ela o rompa. Com ele se faz o tecido leve, macio e resistente. E pesquisadores japoneses implantaram genes de aranha em bichos-da-seda. O novo fio servirá para coletes à prova de bala, fios cirúrgicos, linhas de pesca, etc. Vem aí a super seda.


Uma amoreira em cada praça, que tal?

A amora combate radicais livres, hipertensão, diabetes, TPM, bronquite, amigdalite, afta, queda de cabelo. Ajuda a prevenir infecção urinária, úlcera e câncer no estômago. Cicatrizante, expectorante, laxante, revigorante. Tem cálcio, fósforo, potássio, vitaminas A, B e C.

Erupções cutâneas? Use cataplasma das folhas.

Dor de dente? Ferva a casca e faça bochechos; e uma xícara, três a quatro vezes ao dia, expulsa vermes.

As prefeituras bem que podiam plantar amoreiras-pretas nos parques e praças desses Brasis.


SAIBA MAIS
Frutas Brasileiras e Exóticas Cultivadas, de Harri Lorenzi, Luis Bacher Marco Lacerda e Sergio Sartori (Plantarum, 2006).
Amora, Framboesa, Groselha, Kiwi, Mirtilo e Sua Comercialização, de Fernando de la Jara Ayala (Cinco Continentes, 1999).
 

Comentários 

 
#2 marta 24-09-2011 08:38
Eu vou ler de novo mas estava procurando como plantar um pé e mostrou esta página. Bonita a história, porém poderia ter completado que deveria ter mais amoras plantadas da seguinte forma......... Aqui em São Paulo na região que moro já é possivel passar por vários pés.
Faltou mesmo como plantar.
bjos stalados,
Citar
 
 
#1 NEIRE 08-04-2011 16:08
Nossa...fiquei com muita vontade de cultivar um pé de amora. Vou procurar na minha cidade, espero deixar pros meus netos lindos pés de amoreiras.
Citar
 

Adicionar comentário

Seus comentários serão moderados e assim que aprovados serão publicados no site.